Da busca e da vastidão do ser

É na ondulação do mistério a razão da nossa eterna busca pelo sentido da existência O que há de vir? De onde vim? Por que estou aqui? São sentidos sem limites, sem direção como flechas de permanentes questionamentos, É a busca do sim e do não, Dos ponteiros do nosso tempo, Do tempo que vivemosContinuar lendo “Da busca e da vastidão do ser”

Em exposição

Em exposição Nós! Nus! Expostos nas linhas e circunferências em uma liquidação. Nós! Corpos sem rosto, expressão, cor ou gênero sem interrelação. Nós Estamos vivendo assim ou não? Nus Seguiremos presos? Romperemos o vidro? Vestiremos a pose e o sorriso? Nós Estamos em promoção! Foto e texto: Yve de Oliveira

Onde nasce a nossa ignorância?

Ampliar a consciência crítica sobre os diversos preconceitos e tipos de desigualdade social é muito importante, afinal, todos já reproduzimos em algum momento da vida alguma conceito pronto, babaca, inútil ou ignorante. Aprendi com minha família, amigos, professores, leituras e experiência como agir melhor comigo e com os outros. Todos erram e acertam, porém aContinuar lendo “Onde nasce a nossa ignorância?”

Poema da modernidade

Fazer de si um comércio. Esvaziar o amor. Fazer flyers de nós, a arte perfeita. Para a Rede. Em rede, estamos sós, por todos os lados. Absurdamente, Narcisamente, Com uma casca. Uma máscara, escancarada; egoicamente marcada. Mais nada. Nada a dizer. Texto e foto: Yve de Oliveira

Sobre abrir-se para as possibilidades

Lance um novo desafio para as suas crenças limitadoras. Ultrapasse os discursos prontos e o velho resmungo do cotidiano. Rasgue as culpas inventadas e todas aquelas justificativas para terceirização dos problemas. Amadurecer é amor em movimento. O mundo gira dinâmico. Tudo vai se transformando, mudando a nossa maneira de ser ou ver as coisas, porContinuar lendo “Sobre abrir-se para as possibilidades”

Transpassar

Romper. Ultrapassar o tangível, o dito impossível. Ampliar o limite do céu no espelho. Vencer com o azul. Multiplicar as extremidades na lente, nos corpos, no pilar. Na beira é o fim ou o início? Sem precipício. foto e poema: Yve de Oliveira

Sobre as barreiras de desconexão

As muitas barreiras que eu havia criado me impediam de ver a verdadeira capacidade de amar que eu possuo em todas as minhas células. O fato de romantizar os fatos também gerou muitos desalinhos já que as expectativas criadas determinavam os modelos, com os quais os meus parceiros deveriam se guiar. A ilusão era aContinuar lendo “Sobre as barreiras de desconexão”

O Amor Real

O amor é real. Vive no campo da materialidade. Está entre as relações, nas nossas células na nossa maneira de existir neste mundo. Já a sua transcendência é filosofia. Ponto de vista das experiências vividas, apreendidas ou observadas. Ás vezes, essas cápsulas de pensamento confundem os românticos, principalmente os frustrados. Há em muitos deles, aContinuar lendo “O Amor Real”