A arte cura

Havia guardado o teatro na gaveta; inclusive o prazer da entrega, da catarse iminente, da percepção da minha arte e da minha voz. Havia enfeitado o conceito da dramaticidade artística, travestindo estilos literários confusos, Era uma falsa alteridade. Eu me lembro de ter dito uma vez sobre a minha paixão pelo teatro: – “O palcoContinuar lendo “A arte cura”

Sobre as polaridades das nossas emoções

Das maldades humanas tenho compaixão, noutras vezes raiva. Porém, com a energia da raiva eu escolhi correr ao menos 5 km diários ou levantar sem ajuda, os móveis pesados do meu quarto quando quero mudá-los de lugar. Ah, e faço bom uso na mastigação, triturando os alimentos mais densos com energia e efetividade. Com aContinuar lendo “Sobre as polaridades das nossas emoções”

Com raiva, eu?

“Deixa em paz meu coração que ele é um copo até aqui de mágoa. E qualquer desatenção, faça não, pode ser a gota d`água”. Chico Buarque Durante a nossa vida aprendemos a lidar racionalmente com os nossos problemas sem entender o mecanismo dos nossos sentimentos e emoções, bem como os impactos quando em desequilíbrio. AContinuar lendo “Com raiva, eu?”

Porque odiamos Maria Antônia?

Vivemos na última terça-feira, 31 de julho a grande final do Masterchef Brasil. Ali dois candidatos vestindo arquétipos distintos, o bem e o mal, o príncipe e a bruxa má, a vítima e a estratégia evocaram diversas opiniões, polarizações, linchamentos públicos, comparações e julgamentos. Muitos entendiam que o suposto lado do bem, representado pelo competidorContinuar lendo “Porque odiamos Maria Antônia?”