Você, fake news?

As redes sociais transmitem uma sensação de importância. De que não somos avulsos, invisíveis ou desinteressantes. Postamos, aparecemos! Neste ciclo de notoriedade fake, sem perceber, nos tornamos presas fáceis do abuso e da solidão. Passamos a viver à mercê das opiniões e expectativas alheia e da audiência dos nossos seguidores. Nos tornamos influenciadores digitais semContinuar lendo “Você, fake news?”

É tarde!

É tarde amor, vem deitar! O nosso tempo jaz rápido demais! Ao longe escuto teus últimos sussurros gritando: Mais, ais, is, i… e Já não dá mais! É tarde! A luz apagou, Meu olho cerrou, Teu corpo se desconectou dos meus sentidos Sem desequilíbrios. Nossa alma carece de mais Paz. Ah, não se apraz! Desfaz,Continuar lendo “É tarde!”

Poema da modernidade

Fazer de si um comércio. Esvaziar o amor. Fazer flyers de nós, a arte perfeita. Para a Rede. Em rede, estamos sós, por todos os lados. Absurdamente, Narcisamente, Com uma casca. Uma máscara, escancarada; egoicamente marcada. Mais nada. Nada a dizer. Texto e foto: Yve de Oliveira

Sobre as barreiras de desconexão

As muitas barreiras que eu havia criado me impediam de ver a verdadeira capacidade de amar que eu possuo em todas as minhas células. O fato de romantizar os fatos também gerou muitos desalinhos já que as expectativas criadas determinavam os modelos, com os quais os meus parceiros deveriam se guiar. A ilusão era aContinuar lendo “Sobre as barreiras de desconexão”